O fotógrafo

Comecei a fotografar profissionalmente em 1987, com 14 anos de idade. Tive como o meu primeiro e grande mestre Humberto Capai. Em 1989 ingressei no Curso de Ciências Biológicas da UFES, tornei-me biólogo e durante muito tempo fotografei a natureza do Espírito Santo e do Brasil. Publiquei fotografias em diversos livros, revistas e outras mídias. Em 1996 ingressei no Mestrado em Multimeios da UNICAMP e em 2004 publiquei o livro "Os argonautas do mangue: uma etnografia visual dos caranguejeiros do município de Vitória – Editora da Unicamp, 2004". Nessa época mudei o foco do meu trabalho de uma natureza pura e intocada para uma natureza transformada pelo ser humano e comecei a me interessar em fotografia de gente. A bagagem adquirida com a antropologia visual me ajuda muito hoje na fotografia de casamento.

Em 2008, de uma forma despretensiosa, comecei a fotografar casamentos de amigos para presenteá-los com as fotos e me interessei pelo tema. Desde então venho construindo uma trajetória nessa área. Como define Henri Catier-Bresson, o pai da fotografia documental, a fotografia exige do fotógrafo um sincronismo perfeito entre a cabeça, o olho e o coração. A cabeça para pensar, saber exatamente o que se quer, quais as informações são mais importantes, qual é o conceito de cada ensaio. O olho para se extrair, em uma fração de segundo, o que é essencial em uma cena e retirar o que é desnecessário.

O coração traz para mim o que é fundamental na fotografia de casamento: o envolvimento. Envolvimento com o casal, com essa família que está nascendo, com toda a energia depositada nesse momento, pelos familiares e pelos amigos. O álbum de casamento é, para mim, um documento. Um documento que pode ser ao mesmo tempo denso e lindo. O registro do início de uma história: da sua história. E é uma das coisas que mais gosto de produzir atualmente com a fotografia.

Todos direitos Reservados - André Alves

Fbrandão Web & Comunicação